Início Natureza Sismo irá matar entre 17 mil e 27 mil pessoas em Portugal!

Sismo irá matar entre 17 mil e 27 mil pessoas em Portugal!

Não se sabe quando, não se sabe com que intensidade, nem exatamente com que consequências. Mas há uma certeza: “A sorte não dura para sempre” e Portugal será afetado por um sismo que poderá ter consequências trágicas.

14092
0
PARTILHE
Sismo irá matar entre 17 mil e 27 mil pessoas em Portugal
Sismo irá matar entre 17 mil e 27 mil pessoas em Portugal

Bem-vinda(o) ao “1001 Top Vídeos”! Os melhores vídeos de Portugal!

Sismo irá matar entre 17 mil e 27 mil pessoas em Portugal! Vídeo de: Portugal Memoria

Portugal arrisca tragédia com sismos

“Governos sabem que vai morrer gente e não fazem nada”

Portugal vai sofrer um sismo e não está preparado para isso. Quem o diz é o investigador Mário Lopes que denuncia a falta de fiscalização nas construções novas e na forma como os edifícios antigos estão a ser reabilitados. “São baralhos de cartas”, garante, criticando os sucessivos governos que põem “o mercado imobiliário antes da vida das pessoas”.

Não se sabe quando, não se sabe com que intensidade, nem exatamente com que consequências. Mas há uma certeza: “A sorte não dura para sempre” e Portugal será afetado por um sismo que poderá ter consequências trágicas.

O alerta é deixado por Mário Lopes, investigador do Instituto Superior Técnico. O especialista em engenharia sísmica vê com preocupação os estragos que um terramoto poderá provocar em Portugal, nomeadamente em Lisboa.

O receio de um fenómeno como o que destruiu Lisboa em 1755 existe, mas não terá de ser tão forte para provocar danos consideráveis e causar dezenas de milhares de vítimas mortais, alerta o especialista.

Académicos e engenheiros garantem que, num país onde está escrito que vai ocorrer outro sismo, ninguém pode sentir-se a salvo. Sobretudo os portugueses que vivem na Grande Lisboa, Vale do Tejo, Costa Alentejana e no Algarve. O Laboratório Nacional de Engenharia Civil prevê que o próximo terramoto possa matar entre 17 a 27 mil pessoas. E é esta certeza científica que está na origem da revolta de um grupo de especialistas que se queixou até ao Presidente da República, mas sem resultado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here