Início Viagens e Lugares Praia de Moledo e Forte da Ínsua

Praia de Moledo e Forte da Ínsua

Na Foz do Minho, a vista aérea sobre o Forte da Ínsua, onde existe um poço de água potável, o que é incrível, por se situar no mar, sendo um dos três únicos existentes no mundo!

1501
0
PARTILHE

Bem-vinda(o) ao “1001 Top Vídeos”! Os melhores vídeos de Portugal!

Praia de Moledo e Forte da Ínsua Vídeo de: Portugal visto do Ceu

Praia de Moledo

Estância balnear muito famosa desde o início do séc. XX, a Praia de Moledo é frequentada por famílias de políticos e colunáveis que a procuram ano após ano, sem se deixarem seduzir por outros areais mais quentes, a sul.

Numa zona de grande beleza natural, rodeada pela Mata do Camarido, esta é uma praia um pouco ventosa, banhada pelo mar de ondulação forte, com boas condições para a prática de surf e mesmo de windsurf durante o verão.

Em frente à Praia de Moledo, na pequena ilha rochosa a que se acede por barco, destaca-se o Forte da Ínsua, construído no séc. XV para convento, tendo no século XVII e XVIII sido alvo de obras que o transformaram num baluarte de defesa da costa.

Forte da Ínsua

A Ínsua, indissociável da paisagem de Moledo do Minho, é uma pequena ilha rochosa situada a sudoeste da costa portuguesa, distanciada cerca de 200m, pertencente à freguesia de Cristelo. Esta pequena ilha já era conhecida pelos romanos, pois Estrabão a ela se refere ao descrever a foz do rio Minho.

Tudo leva a crer que anteriormente à fundação do convento tenha aí existido um local de culto que os portugueses conheciam por Sta. Maria da Ínsua, e os espanhóis designavam por Sta. Maria de Carmes, o qual poderá ter tido origem em algum altar de sacrifícios utilizado antes da expansão do cristianismo. Esta ermida tinha um ermitão e a sua festa realizava-se a 8 de Setembro.

Com o Cisma do Ocidente em 1378, o Reino de Castela encontra-se do lado do Papa de Avignon, Urbano VI, enquanto que alguns religiosos asturianos e galegos conseguem a autorização de Bonifácio IX, a 6 de Abril de 1392, para se instalarem em Portugal. No caso de Caminha foram os franciscanos da observância menorita, nomeadamente Frei Diogo de Árias, que fundou o convento de Sta. Maria da Ínsua que obras do convento iniciaram-se no mesmo ano.

DEIXE UMA RESPOSTA