Início Curiosidades Pirâmides descobertas nos Açores (National Geographic)

Pirâmides descobertas nos Açores (National Geographic)

Quando os marinheiros portugueses chegaram aos Açores, há 500 anos, afirmaram que estas ilhas nunca tinham sido habitadas. No entanto, o professor Félix Rodrigues encontrou evidências que provam o contrário!

1
Pirâmides descobertas nos Açores
Pirâmides descobertas nos Açores

Ascensão da Atlântida

Quando os marinheiros portugueses chegaram aos Açores, há 500 anos, afirmaram que estas ilhas nunca tinham sido habitadas. No entanto, o professor Félix Rodrigues encontrou evidências que provam o contrário.
Hoje, às 20:50, descobrimos toda a verdade em a ‘Ascensão da Atlântida’, no National Geographic.

Publicado por National Geographic em Domingo, 12 de março de 2017

Pirâmides descobertas nos Açores

Após as primeiras sondagens arqueológicas, tudo aponta para que estas estruturas tenham sido construídas antes da chegada dos portugueses aos Açores.

Ossos, anzóis, conchas, pesos de redes de pesca, pontas de metal, utensílios feitos de basalto, carvões e fragmentos de peças de cerâmica, foram descobertos nas primeiras sondagens arqueológicas autorizadas pelo Governo Regional dos Açores às misteriosas estruturas piramidais da Ilha do Pico.

As pirâmides estão quase todas concentradas numa área de seis quilómetros quadrados no concelho da Madalena, junto à costa oeste da ilha dominada pela montanha mais alta de Portugal (2351m).

São 140 pirâmides estudadas pelos arqueólogos na Madalena do Pico. Todas construídas em pedras basálticas de origem vulcânica conhecidas por biscoitos. Algumas chegam a ter 13 metros de altura (o equivalente a um prédio de 4 andares) e câmaras no seu interior.

As sondagens foram realizadas por Nuno Ribeiro e Anabela Joaquinito, que estão estimulados com os depósitos de artefactos antigos que descobriram, e que tudo indica serem muito anteriores à data da descoberta dos Açores pelos portugueses, em 1427.

Vídeo de: National Geographic

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.