Início Música FADO DE COIMBRA, o Presidente também canta

FADO DE COIMBRA, o Presidente também canta

O Presidente da República canta e assiste ao Coro dos Antigos Orfeonistas da UC num momento fantástico e único! Fado de Coimbra: Coimbra é uma lição

21594
0
PARTILHE

Bem-vinda(o) ao “1001 Top Vídeos”! Os melhores vídeos de Portugal!

FADO DE COIMBRA, o Presidente também canta Vídeo de: Município de Coimbra

FADO DE COIMBRA

Se o fado é considerado a canção da alma portuguesa, o Fado de Coimbra é, seguramente, a música que marca o ritmo do coração da cidade dos estudantes.

Se o Fado é considerado a canção da alma portuguesa, o Fado de Coimbra é, seguramente, a música que marca o ritmo do coração da cidade dos estudantes. Intimamente ligado às tradições académicas, o Fado de Coimbra surgiu espontaneamente por entre os grupos de estudantes que, ao mudarem-se para a cidade para frequentar a Universidade, levavam consigo as suas guitarras portuguesas.

A tradição manteve-se até hoje; cantado exclusivamente por homens, o fado coimbrão implica rigor nas vestes. Os grupos de músicos e cantores, envergando o traje académico de calça, batina e capa de cor negra que confere solenidade ao momento, cantam à noite nas praças e ruas da cidade, palco privilegiado da canção de Coimbra.

Durante a época da Ditadura, a par dos movimentos políticos no seio da Universidade, também o Fado serviu de veículo de intervenção entre os estudantes. Nomes como Adriano Correia de Oliveira ou José Afonso adoptaram as baladas como forma de expressão política, num tempo em que a palavra valia mais que mil armas.

Se visitar a cidade, não perca uma das típicas serenatas por baixo das janelas das amadas, ou assista às magníficas actuações dos grupos que cantam frente à Sé Velha, dedilhando temas conhecidos que falam da cidade, da vida dos estudantes, ou acompanham as palavras de nomes maiores da poesia portuguesa.

Marcelo Rebelo de Sousa

Aluno brilhante, professor catedrático, comentador televisivo, político, Marcelo Rebelo de Sousa chega a chefe de Estado.

Passou a infância nos corredores do poder. Foi um menino precoce, um aluno brilhante. Mas nunca perdeu o sentido de humor e a tentação de pregar partidas que os amigos classificam como ‘marcelices’. Contraditório, excêntrico, esteve no centro da vida política portuguesa quase desde que nasceu. Está agora perante o maior desafio da sua vida: o de cumprir o destino para que a mãe achava que estava destinado, chegando ao mais alto cargo da Nação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here