Início Natureza Às Portas do Inferno (tempestade no Porto)

Às Portas do Inferno (tempestade no Porto)

Brutal! Imagens incríveis da tempestade Hércules que assolou a cidade do Porto. Ventos de 140km e ondas de 7 metros colocam-nos às portas do inferno!

16558
0
Às Portas do Inferno (tempestade no Porto)
Às Portas do Inferno (tempestade no Porto)

Bem-vinda(o) ao “1001 Top Vídeos”! Os melhores vídeos de Portugal!

Às Portas do Inferno (tempestade no Porto) Vídeo de: Rui Videira

Tempestade Hércules

O ano 2014 começou com forte agitação marítima nos Açores e um dia depois, em Portugal continental. A culpa foi da tempestade Hércules, um potente sistema de baixas pressões que atravessou o Atlântico nos primeiros dias de Janeiro, provocando ondas de grande dimensão que atingiram primeiro os Açores e, posteriormente, Portugal continental (e outros países europeus).

Segundo os dados das boias do Instituto Hidrográfico, a altura máxima das ondas terá atingido os 15 metros em Sines, com períodos bastante longos, o que atesta a grande quantidade de energia que esteve na sua origem.

Algumas ondas surpreenderam os curiosos, ao galgar pontões, muros, estradas, restaurantes… como aconteceu no Porto, com várias viaturas danificadas e alguns feridos ligeiros, ou em Matosinhos, Carcavelos, Caparica e Carvoeiro.

Porto

O Porto é um dos destinos turísticos mais antigos da Europa e a riqueza do seu património artístico, o Vinho do Porto, os vastos espaços dedicados ao lazer e a sua vida cultural são apenas alguns dos motivos que convidam a visitar a cidade.

Em poucos dias ou num fim de semana prolongado, não deixe de conhecer os encantos do Porto. No centro histórico, a Estação Ferroviária de São Bento é um ponto de chegada e uma referência geográfica, de onde partem os três itinerários que sugerimos para visitar a cidade, assinalando os pontos de interesse mais importantes.

No geral, a cidade do Porto é acessível e dispõe de pavimentos em bom estado de conservação e maioritariamente regulares, em que os materiais utilizados com mais frequência são a calçada em basalto ou calcário e as lajes em granito, permitindo uma circulação estável e confortável para o visitante. No entanto, a inclinação de algumas ruas do centro histórico são uma condicionante a ter em conta, por dificultar a experiência. Quanto aos passeios, na generalidade, são amplos e regulares.

Começamos por visitar o centro histórico e descer até à Ribeira, junto ao rio, para depois visitar a zona mais comercial da cidade, entre o Bolhão, Santa Catarina e a Batalha, com possibilidade de atravessar o rio para Vila Nova de Gaia, até à Serra do Pilar, e desfrutar de uma vista surpreendente sobre a cidade. O terceiro itinerário passa por monumentos de referência como a Torre dos Clérigos, um ex-libris do Porto, pelo Museu Nacional de Soares dos Reis e termina nos agradáveis Jardins do Palácio de Cristal.

Existem muitos outros pontos de interesse que não foram integrados nestes percursos e entre os quais vale a pena referir, por exemplo, a zona da Foz do Douro, a Casa da Música e o Museu de Serralves. São locais acessíveis que não pode deixar de visitar e onde pode chegar através dos transportes públicos regulares ou em meio próprio.
_

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.